DIÁRIO DA OCUPAÇÃO: 27 de maio de 2012

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO: Estudantes ocupam a universidade e abrem à comunidade em protesto a péssima qualidade da educação superior no Brasil.

Durante o dia 27 de maio de 2012 foram realizadas diversas atividades no campus OCUPADO pelos alunos e aberto a comunidade. Rolou atividades infantis para crianças da comunidade (pintura no rosto, brincadeiras, oficinas de brinquedos, jogos), reconstrução do espaço Marighella (agora no pátio) e abertura do restaurante universitário Solano Trindade com refeição para todos.

Durante a semana acontecerão diversas atividades. Participem! Ajudem a construir uma  universidade popular e livre para além do papel!

Esse post foi publicado em Acontece no campus e marcado , . Guardar link permanente.

38 respostas para DIÁRIO DA OCUPAÇÃO: 27 de maio de 2012

  1. Alpha disse:

    O Campus está parecendo um cortiço de tanta desordem, além do mais, que mania de querer colocar “Popular” em tudo affffffffff

    • Assistencialista disse:

      Só faltou a foto do JURASSAURO carregando um bebê inocente no colo; seria a primazia da publicidade desses escrotos.
      Poderiam, também, ter tirado uma foto com crianças brincando com a Capivara pelo campus; seria tão comovente. KKKKKKKKKKKKKKKK

  2. Alpha disse:

    Olha… o eco da voz dele dizia muito mais acerca do impacto do texto do que o conteúdo do que foi lido rsrs

  3. O que vcs fizeram foi LINDO! disse:

    O que vocês fizeram foi lindo, uma pena que isso esteja ocorrendo durante a greve pois se vcs falam que a universidade é para todos, eles vão ver as marcas sujas das “lutas” que vcs sempre falam.. afinal a destruição que vocês fizeram no campus será deixada para os pequenos que no domingo pintavam os rostos. Além do mais, muito bonito fazer isso durante a greve.. vcs precisaram do governo pra fazer um dia de gincanas? Creio que Não!! Não é necessário esperar o governo para fazer um dia de brincadeiras com as crianças, agora, DUVIDO que vocês iriam em um domingo pra fazer a mesma coisa se não estivessem em greve.. vcs pensam tanto no povo carente, necessitado, popular.. mas só lembram que eles existem em dias de revolta e greve.. eu duvido que o campus teria feito um dia como esses durantes as aulas.. afinal.. vcs só pensariam em livros, pensadores, filósofos.. e o povo? QUE SE DANE!

  4. auto gestão!!!! derruba o muro a unifesp é de todo mundo!!!

  5. Talita Tonso disse:

    Parabéns, gente.. Essa idéia estava na nossa cabeça há um bom tempo, né? Que bom que conseguiram colocar em prática! Logo estou aí pra ocupar com vocês! Beijo 🙂

  6. Carlos disse:

    Que lindo!!! parabens gente!!!!!! tamo junto!!!!!!!!!

    logo logo colo ai!

  7. Jess disse:

    Ajuda?? Quem disse que o que está sendo feito é ajuda?

    A universidade foi aberta a comunidade, isso não é ajuda meu bem, é fazer jus a sua função social.

    • Alpha disse:

      “fazer jus a sua função social” kkkkkkkkkkkk

      Comédia Jesstand up

      • Amnésia disse:

        Só queria avisar que não fizemos uso de entorpecentes/álcool enquanto as crianças estavam no Campus; melhor me defender logo, antes que a oposição venha atacar pedras em mim e nos meus camaradas.
        Na verdade, deu uma vontade monstra, então, me fechei numa barraca e mandei ver.
        QUERO APROVEITAR E MANDAR UM SALVE PRO SNOOP DOGG. VALEU!

  8. João disse:

    Nossa, que interessante.

    Irei hoje para conferir de perto.

  9. Kelly disse:

    Nem to no campus, não acompanhei a greve. Agora, ficar criticando que todo mundo só se ocupa com livros, eu concordo. Mas quando vamos começar a construir algo diferente? Seria isso possível? Achei bacana ver pessoas da cidade dentro do campus. Muita gente não sabe nem que é permitido entrar nas dependências das universidades públicas. É isso aí.

  10. Anti-greve até o fim! disse:

    Ai que coisa linda! A velha tática de usar as criancinhas para comover o publico! Demagogia barata!!! Politicagem ao melhor estilo Maluf! Hahahahaha
    E tem comandado que tem certeza que mudou o mundo para sempre neste dia!

    Arrghhh! o povo do Pimentas NAO ESTA NEM AI COM A UNIFESP, SEUS INTERESSES SAO OUUUTROS!!!!

    • Beth disse:

      Pois é, enquanto isso sua bunda vai ficando quadrada na cadeira e você não faz nada. Tão inútil que precisa criticar quem está fazendo alguma coisa pra se sentir útil…

  11. Kelly disse:

    As pessoas da cidade entrarem no campus não é ajuda a ninguém. Acredito que seja apenas um contato, uma forma da dar uma satisfação sobre o que está acontecendo dentro da universidade. Afinal, a universidade fica dentro de um bairro, não está afastada de tudo e todos, o que é bom e não vejo nada de negativo trazer as pessoas para dentro para ter algum contato. Não sei o que se ganha em ficar ironizando tudo. Ironia barata autodestrutiva, grande merda. Se as pessoas vêem problemas no movimento grevista ou no que quer que seja, sejam diretas. Acho ironia barata arma dos fracos. Nisso que esse país tá essa merda, com meios de transportes caros e de merda, com saúde cara e de merda, com diversos outros setores, incluindo população. Isso porque os maiores interessados, ao invés de tentarem se unir e construir algo junto, apenas se desmobilizam. Eu não pude acompanhar porque não moro nem perto, caso contrário, tentaria acompanhar de perto sim. Acho que a forma como as pessoas se colocam, se manifestam, talvez ela possa ser contestada, agora, a necessidade de se manifestar, a necessidade de protestar, será? Alguns colocam que são “sem causa”. Será mesmo? Será que alguém se manifestar num país desse é realmente sem causa? Existem vários movimento acontecendo, porque temos inúmeros problemas a serem enfrentados. Tem galera se mobilizando em torno da questão do transporte no país todos. Funcionários em greve. Tem a marcha das vadias rolando tbm, país todo. A educação é outra causa pela qual se deve lutar. Agora, também não sou inocente para deixar de conectar toda essa efervescência ao fato desse ano ser eleitoral. Tenho muitas críticas ao movimento estudantil, e não falo pela unifesp, apenas, falo por uma série de coisas que já acompanhei de perto e que desmobilizam a luta pela causa tão importante que é a situação da educação no Brasil, MAS TENHO MUITO MAIS CRÍTICAS AOS QUE SÓ SABEM CRITICAR OS QUE BANALIZAM AS CAUSAS DOS PROTESTOS, DAS MANIFESTAÇÕES. Isso, sim, me preocupa.

  12. M. A. Leme disse:

    Olá. Duas coisas: acima de tudo o que deverá prevalecer entre os homens é o respeito. Outra coisa, também fui militar…
    Se o seu propósito é construir um mundo melhor para a geração que virá, tal mundo não se dará com um discursso desse tipo. A propósito, o que foi declamado é um poema do século XX; se você foi milico durão da ditadura o problema é só seu. Vivas ao Capitão Lamarca!
    Se por acaso quiseres ler algo meu, venha participar das discussões sobre Universidade Popular; a idéia é compartilhar do conhecimento de modo social sem o “rigor exigido pela academia”. Mas, se quiseres briga procure o Mike Tyson…

  13. spirituarise disse:

    É alguma brincadeira de mau gosto? Transformaram a universidade num local onde abriga todo tipo de imundice que se imaginar, e agora estão comprando a população local desprovida de qualquer senso político com comida do “bandejão”, e supostos atos de caridades? O que vai ser da universidade quando esses infelizes não almejarem sair? Por que diabos estão transformando a universidade numa espécie de Komintern do MST? Onde estão nossos militares? Uma observação: Mao, Che Guevara, Pol Pot fizeram a mesmíssima coisa para conseguir chegar ao poder.
    Onde estão nossos militares?
    Aproveitando a deixa, manifesto aqui meu total apoio à campanha que dita o fim do MST. Quem quiser assinar a petição, Fará um trabalho a humanidade, ao brasileiro de bem e ao teu próximo, indescritível.
    Há mais de 20 anos, desde que foi criada em 1985, essa organização criminosa nunca sofrera um revés desse porte, como ela mesma confessou.

    Assine seu apoio no link abaixo.

    http://www.fundadores.org.br/paznocampo/acao/100708/dCamp.asp?camp=4&oc=2

  14. spirituarise disse:

    O seu comentário está aguardando moderação.

  15. LArs Cameschi disse:

    Coemnte com moderação!!!! HUASHUASHUASHU9HUASASHUASHUSHUAA tem uns lance que nem eu aguento nessa greve PQP.

  16. LArs Cameschi disse:

    Se você comenta não dirija, Comente com moderação!!!! HUASHUASHUASHU9HUASASHUASHUSHUAA tem uns lance que nem eu aguento nessa greve PQP.

  17. Ganjavier disse:

    Uma pequena amostra, mas um enorme gesto de todos organizadores e colaboradores que trabalham, efetivamente, para que isso aconteça.
    “Uma das principais tarefas da cultura é fazer da necessidade, liberdade” [Jacob Klatzkin]

  18. Chico disse:

    As atividades foram bacanas, trouxe o pessoal da comunidade, integrou algumas coisas que estavam distantes. O cara que deixou o link nas redes sociais, para que pudéssemos olhar o que estava acontecendo no campus, ressaltou para que os antigrevistas repensassem nas ações.

    Muito bem, estou pensando. A atitude de trazer a população local do Pimentas pra faculdade foi bacana, ninguém sensato se opõe a isso. Porém, os antigreves são contra a estratégia de organização e política que o comando vem utilizando nos últimos tempos.

    Não é com esse vídeo – que mais parece o filme “Quanto vale ou é por quilo”, do Sérgio Bianchi, que mostra a exploração da pobreza como fonte de renda e aparencia publicitária para as ONGS -, que iremos esquecer as ações truculentas do comando.

    A estratégia foi boa mas não colou. Isso não implica dizer que todo mundo que participou da ocupação utilizou a população pra fazer merchandising pra greve, mas essa musiquinha de fundo ai parecia mais o programa do gugu, de volta para a minha terra!

    Comando de greve: menos ok? Façam as coisas sem querer nada em troca pra população. Não utilizem a imagem deles pra fortalecer o movimento. A troca das ações tem que ser com a reitoria e não com a população dos pimentas e nem com os estudantes.

    • Chico disse:

      Arrumando a frase que ficou mal escrita…

      “Comando de greve, menos ok? Façam as coisas pra comunidade sem utilizá-los como moeda da troca ou para fortalecer o movimento. A troca da politicagem tem que ser com a reitoria e não com a população dos pimentas e nem com os estudantes. “

  19. Carlos Cachoeira disse:

    soldados que trocaram suas armas por iphones, seus coturnos por tênis puma… ainda querem usar textos do inicio do século XX para dar sentido às suas lutas vazias de ideologias e cheias de interesses pessoais. uma coisa tem em comum: burgueses ainda usam a imagem do povo para causar comoção!

  20. Evento do ano? disse:

    O evento tava lindo! só esqueceram de chamar a população….Tá vazio….Outra coisa por que pipa e skate? Faz uma oficina de leitura e escrita pra esse povo né? E pintura no rosto…tão chamando o povo de palhaço? última pergunta…vcs assaltaram o estoque do bandejão pra fazer comida?

  21. Marisete disse:

    Abriram ao público o bandejão sem condições de funcionar do Marcos Cesar??? Como assim…??? Pelo que foi postado merecia interdição da vigilância sanitária…além do que deve estar desativado pelo menos uns dois meses??? Essa comida toda veio de onde gente???
    Mudando um pouco de assunto….Pelo que sei, logo que a UNIFESP começou a funcionar nesse prédio, sofreu várias invasões e roubos de livros, computadores, inclusive até casos de estupros existiram, etc….foi daí que veio as grades…Engraçado, também nunca me pediram identificação para entrar no campus..qualquer pessoa pode entrar e se desejar assistir aulas também…nunca presenciei um professor questionando, isso?! Ao contrário das escolas de ensino fundamental e médio….Agora, se é para repartir conhecimento, sem problemas….vamos até o povo…eu sugiro o Terminal Pimentas é amplo…podemos falar pra toda aquela gente e quem mais estiver interessado! vai ser bacana!!! A Universidade indo até o povo…eles não precisam necessariamente vir até nós….não precisamos de muros, salas, nada disso, vamos até eles….Sócrates não precisou de salas para fazer toda a sua revolução…seremos menos capazes??!!! Vamos lá minha gente…UNIVERSIDADE SEM MUROS!! CONHECIMENTO PARA TODOS!!!

    • Anti-greve até o fim! disse:

      Ah Marisete, mas para o povo do Pimentas pode servir comida no bandejao super precário, mas para a elite intelectual e a vanguarda do pensamento nao! Se nao sacou nao, como e que funciona? E a encenação de A revolucao dos bichos, de George Orwell?

    • Amnésia disse:

      NÓIS É PREGUIÇOSO, MOÇA… NÃO FAIZ ISSO COM NÓIS NÃO,VAI.

  22. KARINE disse:

    Parabens gente!!!!! Da próxima vez estou ai fazendo pintura facial com vcs!

    comecemos assim…e aos poucos…estará um entre e sai de galera do bairro e mais quem quiser por ai!!!

    DERRUBA DERRUBA DERRUBA AS MURALHAS!!!!!

  23. Desanimada disse:

    Concordo com o Chico. Vcs deveriam fazer ou querer tomar uma atitude desta no começo da greve… Fui algumas vezes ao campus e vi como vcs são, as atitudes dos senhores, no começo até fui em assembleia, mas demoravam demais pra voltar, era só informes, informes e blablabla e blablabla.
    A região do Pimentas não consiste apenas no pessoal das imediações, pq este pessoal consegue aulas de graça no CEU (bale, judô e etc…), podem assistir as peças e apresentações no Adamastor, este aí da UNIFESP, além de que nas imediações eles tem um centro comercial razoável, com mercados, lojas, bancos e etc. Agora ninguem foi divulgar as atividades que tinham no campus nos lugares afastados né… Piratininga I e II(em algumas ruas lá nao tem nem asfalto), Jd Aracília(tbem tem ruas sem asfalto), Jd Santo Afonso, Vila Any… passamos para o outro lado da Dutra, Jd Fatima, Inocoop, Carmela, Agua Azul… Gente desculpa, o pessoal das imediações se não tem grana, pode andar(e ir a pé) até o Shopping de Bonsucesso, mas e o restante? Pensem em Bonsucesso como um todo e não apenas como o pessoal ali do Jd. Normandia, pq se o pessoal não sabe, é só terminar de subir “a ladeira” que já estamos no Jd Normandoia e no Nova Cidade.
    Vlw galera mas não colou

  24. Nome (obrigatório) disse:

    Temos o respaldo do PDI, que a própria direção não cumpre:

    A extensão universitária configura-se, por meio de suas múltiplas atividades, como fundamental para ações de intervenção social, ensino e pesquisa que possam impactar qualitativamente a vida das pessoas.

    Na área de extensão, a Unifesp oferece a prestação de serviços à comunidade por meio do desenvolvimento de programas e projetos sociais e da realização de cursos, eventos e campanhas públicas que envolvam, sempre que possível, parcerias com outras instituições públicas ou privadas e movimentos sociais organizados. No âmbito institucional, a residência médica está vinculada à Pró-Reitoria de Extensão.

    As atividades de extensão representam a prática acadêmica que visa interligar as atividades de ensino e pesquisa com as demandas da sociedade, buscando respeitar o compromisso social da Universidade. (P. 33)

    FONTE: http://www.planejamento.unifesp.br/arquivos/pdi-2011-2015

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s