ATO Contra a barbárie na UNIFESP-Guarulhos

Esse post foi publicado em Informes e marcado , , , . Guardar link permanente.

4 respostas para ATO Contra a barbárie na UNIFESP-Guarulhos

  1. Ato for yourself disse:

    Querem fazer um Ato contra vocês mesmos? Não entendi… KKKKKKKKKKKKKK

  2. PROFESSORES UNIFESP disse:

    Carta da professora Ana Nemi para a ombudsman da Folha de São Paulo.

    Prezada Suzana Singer,

    Gostaria de me manifestar sobre os episódios recentes no campus Guarulhos, onde funciona a Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da UNIFESP. Ao contrário do que vem sendo veiculado, o que os alunos faziam ali não era ato político pacífico, eles estavam cassando o direito de ir e vir dos professores e funcionários que eles acuaram na Diretoria Acadêmica gritando “invasão”, “invasão”. O que a polícia fez foi retirar os alunos de lá para que os professores e funcionários ali acuados pudessem retornar do trabalho para suas casas. Quando a polícia chegou eles já haviam vandalizado o prédio quebrando vidros e pichando as paredes que estavam sendo recuperadas dos atos de vandalismos cometidos por eles durante os dias em que ocuparam o campus na semana anterior.
    Sendo assim, gostaria de afirmar que também fiz movimento estudantil, também defendi a democracia no exato início dos anos 80 quando, em meio ao apagar das luzes da ditadura e o retorno dos exilados, lembrávamos que Edson Luís morreu para que pudéssemos falar e não para que estudantes das décadas seguintes impedissem colegas, professores e funcionários de uma instituição pública de se manifestarem e de darem aulas.
    A polícia não foi chamada para impedir movimento político pacífico, ela foi chamada porque alguns alunos acuaram pessoas da comunidade acadêmica e optaram por tratar questões universitárias, por mais complexas e controversas que sejam, por meio da violência. Exatamente ao contrário do que vem sendo divulgado. A polícia foi chamada, repito, porque esses alunos não respeitam a democracia, a diversidade intelectual, cultural, social e política.
    E que não se afirme que o que ocorreu na EFLCH/UNIFESP é precedente para que a polícia ocupe espaços universitários ou que estaríamos importando tecnologia da USP, conforme poucos colegas apressados e desinformados disseram. Estamos lidando com a exceção e, em nome dos princípios democráticos que a exceção pretende suspender, não permitiremos que se torne regra. Assim, não estou advogando a presença da polícia no campus e nem considero aceitável ver alunos feridos ou enfrentando policiais armados. Mas é bom lembrar que foram os alunos que precisaram chamar a polícia há algumas semanas para que um colega deles que defendia outras ideias saísse escoltado do campus em função das agressões que sofria, exatamente do mesmo grupo de grevistas que acuou parte da comunidade acadêmica na quinta-feira, 14 de junho. O recurso à exceção, portanto, tem partido dos alunos devido às atitudes autoritárias do grupo de alunos minoritário que vem sequestrando o espaço público de debates que vínhamos construindo na EFLCH, infelizmente…
    Quero, no entanto, e para finalizar, resistir ao uso político e partidário que vem sendo feito dos problemas decorrentes da construção de um campus de universidade pública. Evidentemente não somos favoráveis ao uso da força como argumento político, por isso repudiamos o grupo de alunos que vem nos acuando violentamente e tentando sequestrar o espaço do campus em favor das pautas eleitorais dos seus pequenos partidos, assim como repudiamos a imprensa que os acolhe sem ouvir aos professores que eles perseguem e caluniam.

    Cordialmente,

    Ana Nemi (História/UNIFESP)

    Em colaboração com:

    Rita Paiva (Filosofia/UNIFESP)
    Maria Fernanda Lombardi (Ciências Sociais/UNIFESP)
    André Medina Carone (Filosofia/UNIFESP)
    Maria Luiza Ferreira de Oliveira (História/UNIFESP)
    Plínio Junqueira Smith (Filosofia/UNIFESP)
    Bruno Konder Comparato (Ciências Sociais/UNIFESP)
    Rafael Ruiz (História/UNIFESP)
    Mirhiane Mendes de Abreu (Letras/UNIFESP)
    Ligia Ferreira (Letras/UNIFESP)
    Wilma Peres Costa (História/UNIFESP)
    Gabriela Nunes Ferreira (Ciências Sociais).

    • Tenha Vergonha Marcos Cezar disse:

      Esses vagaba aparecem pouco para ganhar muito, e para o marcos podemos dar uma boina da pm, assim o sr contador de história inova no figurino

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s