Falta de infraestrutura em campus da UEG prejudica alunos e professores

Unidade em Anápolis está com teto rachado, paredes mofadas e piso podre.
Diretor diz que solicitou reforma em 2010, mas ainda não obteve resposta.

A falta de infraestrutura no campus da Universidade Estadual de Goiás (UEG), em Anápolis, a 55 quilômetros de Goiânia, está causando transtornos aos estudantes e professores. Na unidade, o elevador está parado há dois anos, o piso de madeira está podre, cadeiras estão quebradas, paredes estão mofadas, livros estão deteriorando e parte do teto está seguro por uma viga de madeira por causa das rachaduras.

“É muito vergonhoso ter que usufruir algo que é do estado dessa forma. A gente queria pelo menos algo que suprisse as nossas necessidades”, declara o estudante Bruno Costa. O colega dele também está revoltado com o descaso. “O mofo que fica nas salas pode até fazer mal para a saúde da gente”, salienta Isaias de Carvalho.

Por causa do aumento no número de cursos oferecidos pela instituição, a sala dos professores está sendo dividida com alunos do mestrado. Já na Secretaria Acadêmica da unidade, o espaço foi reduzido porque o Corpo de Bombeiros interditou parte da sala.

Indignado com a situação, o técnico-administrativo José Antônio Nunes afirma que o prédio nunca foi reformado. “Esse prédio é muito antigo e nunca teve uma reforma geral. É uma estrutura de da década de 1960”, ressalta o funcionário.

A professora Eliane Anderi ainda comenta sobre outras melhorias que a categoria está buscando. “Nós estamos reivindicando a aprovação na modificação de cargo e salário e a incorporação exclusiva e correção salarial”, explica a docente.

Resposta
Em nota, a Universidade Estadual de Goiás afirmou que deve fazer um planejamento junto à reitoria para reformar a unidade, mas o diretor do campus em Anápolis disse que desde 2010 tem solicitado o procedimento. Em relação ao elevador parado, a UEG disse que notificou a empresa contratada pela obra. A universidade informa ainda que pediu ao governo um aumento do limite que deve ser gasto com o salário dos professores temporários, pois os docentes efetivos já tiveram aumento no ano passado.

Fonte: http://g1.globo.com/goias/noticia/2013/03/falta-de-infraestrutura-em-campus-da-ueg-prejudica-alunos-e-professores.html

Esse post foi publicado em a revisar. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s